RP#11 – SUBCULTURA EVANGÉLICA BRASILEIRA

26 de julho de 2015

0 Flares Filament.io 0 Flares ×

Programa de número 11 no ar e você está convidado a pensar um pouco com a gente a respeito da igreja evangélica brasileira enquanto Subcultura. Isso é bom ou ruim? Quando é que ter seus ritos, dogmas, linguajar ou gosto musical se torna um problema para a pregação do genuíno evangelho?

Subcultura ‘Podcastiana‘ brasileira formada por Rodrigo Oliveira, Leo Medeiros, Rodrigo Muniz e Daniel Oliveira. Participação especial do Tobi (cachorro do vizinho do Leo).

Comentado no programa:

Fotografia de Davi Ribeiro citada no programa.

A genuína conversão – Caio Fábio (Vídeo)

Verdadeiro Evangelho – Paul Washer

O Celeste porvir – Antônio Gouvêa Mendonça

O Novo Rosto da Missão – Luiz Longuini Neto

A Explosão Gospel – Magali do Nascimento Cunha

O Cântico da Vida – Simei de Barros Monteiro

Lembre-se: O seu comentário é o nosso salário.

Ouça o Resistência Podcast no SPOTIFY

Fique por dentro de lançamentos e sorteios, seguindo-nos em nosso Instagram

Participe da Confraria Resistência no WHATSAPP

Nos escreva um e-mail através do endereço resistenciapodcast@resistenciapodcast.com e participe enviando suas impressões, dúvidas, criticas e sugestões de temas para episódios

  • Luis, conheço um caso aqui de um presbítero da AD que falou de Jesus para uma jovem. E no domingo ela colocou uma saia até o pé, pois as senhoras dessa igreja se vestiam assim, e foi até a igreja. Porém, ela usava uma blusa de alcinha. Ao chegar na porta do templo ela encontrou o tal “presbítero” e disse a ele:
    – A paz do Senhor, irmão. Viu? já estou usando saia como deve ser…
    – a irmã só se converteu da cintura pra baixo? – bradou o homem de deuxx em alta voz, na frente de todos.

    A mulher foi embora e nunca mis voltou. O pior foi que o próprio, que é um colega de trabalho, me contou isso, com todo orgulho do mundo; como se tivesse colocado um pagão no seu devido lugar.

    Triste é que a cegueira é tão grande, que esses promoters do inferno acreditam que estão zelosos para com o Reino de Deus.

  • Leonardo Medeiros Braga

    Adoro treta!

  • Rodrigo Muniz

    Fala galera! Enfim, estou aqui comentando. Estou muito feliz por ver a participação do Luís, do Eduardo, e do pessoal da trupe.

    Quero aproveitar esse espaço para aprofundar aquilo que eu considero o mais importante, ou seja, o alerta para aqueles que tem ouvido o chamado de Cristo, e que tem se aproximado dEle, mas da forma errada, por meio da religião. Precisamos acordar para o fato de que Ele não fundou uma religião, mas proclamou o Reino de Deus na terra, ficou a bandeira. O que nós fizemos foi somente deturpar a mensagem ao longo dos anos. Contudo, assim como em todas as épocas, o Espírito tem inspirado pessoas para o retorno às veredas antigas. Deixemos a religião e vivamos o Reino e sua cultura, a cultura do amor Ágape (amor incondicional, que se doa, que se entrega) e da Cárita (fazer o bem – caridade – ajudar o próximo sem interesse algum).

    O segredo da vida é muito simples: Amar a Deus, amar a si e ao próximo com Cristo nos amou. O resto é religião. oriente sua vida por estes três princípios e você estará cumprindo o propósito do Pai. Tudo que acontece em nossas vidas faz parte do processo no qual Ele nos insere para que nos tornemos como Cristo (Rm 8.28-29), pois, se nascemos dEle (Cristo), temos o seu “DNA”, e estamos caminhando em direção à sua vida, o maior exemplo de amor integral.

    Portanto, irmãos, que sejamos agentes desse Reino, e não meros religiosos. Tudo se resume nisso: AMOR.

  • Edvaldo Nascimento

    Ainda bem que o Tobi louvou a Deus de forma genuína…kkkkk

    • Ah, o Tobi e seu sincero latido… E o Léo querendo escalpelar o coitado kkkk

  • Edvaldo Nascimento

    O cancioneiro neopentecostal é cheio de superstições, mantras, erotismo com o “noivo” e etc.

  • Edvaldo Nascimento

    Eduardo Silveira… a Valadão Family
    até fala de Jesus… às canções sempre citam Jesus…mas qual
    “Jesus”? Não o das Escrituras… às vezes um “Jesus”
    erotizado…como a canção da Nívea: “Jesus quero tanto você.. vestir sua
    camisa… com às mangas maiores que as minhas… e te abraçar….” típico
    das relações sexuais casuais dos não-cristãos e dos filmes Holyudianos.

    • Caraca! Tem isso???

    • Rodrigo Muniz

      Sei de que música vc está falando, mas não seria a imagem de um filho usando a roupa do pai? Não estou defendendo nada, só penso que NESTA observação vc pode ter se equivocado, brother.

      • Edvaldo Nascimento

        Fala mano Muniz….Pode até ser, e me parece que o autor teve a intensão de fazer referência a parábola do filho pródigo, mas acredito que ficou ambíguo. Acho que a canção poderia ter usado uma referência mais paternal. Embora a parábola do filho pródigo, ou melhor seria, do Pai amoroso, usa as figuras da cultura judaica dos tempos de Jesus, sobre as sandálias, o anel, a roupa do pai que era a melhor roupa, a canção usa a referência paternal em Jesus, pois a característica paternal está no Deus Pai, e não no Deus Filho. Mas ela parece mais uma relação muito usada pelos neopentecostais do “noivo” e a “noiva”, que ser refere mais a Jesus. Na expressão “Jesus, eu quero muito você” … ficou muito parecido com aquela relação. A impressão é que acabou misturando as relações o Deus Filho e o Deus pai. Acho que a canção, a mensagem, deve ter bem clara estas distinções.

        • Rodrigo Muniz

          De fato. Vejo essa “dificuldade” em algumas canções do tal movimento chamado “adoração extravagante” que ganha força com todos os grupos e cantores que, influenciados pelos moveres estrangeiros (e alguns cantores até foram importados também, como David Quinlam, Gregório McNuty, dentre outros), apresentam-se eivados de um pieguismo quase erótico, fruto de um desconhecimento (ou não) das diversas nuances da palavra AMOR. (Um exemplo claro é o da música que postei acima) Daí dizer que se está APAIXONADO por Jesus, “desesperado de amor”, “enfermo de amor” (Davi Sacer), e outros tantos termos que, se alinhados com a maneira correta pela qual devemos amar a Deus, perdem todo o sentido.
          Isso nada mais é do que a demonstração da superficialidade do conhecimento bíblico e teológico de muitos compositores evangélicos, talentosos, diga-se de passagem, mas produtores de heresias terríveis.

          • Edvaldo Nascimento

            Pois mano Muniz… embora, salve engano, na idade médio surgiram os chamados “místicos românticos” que usavam linguagem bem semelhante…não há nada de novo debaixo do sol.

  • Edvaldo Nascimento

    Muito
    bacana o comentário do Luis Vulcanis… Eu como pastor tenho muitas
    dificuldades de viver naturalmente a vida cristã, por conta de uma subcultura
    evangélica importada da USA. Por exemplo, hoje de manhã corri para alcançar o
    caminhão do lixo…. E percebi que estava sem camisa… Eu mesmo me senti constrangido…
    Uma coisa que poderia ser natural. Mas do lado de casa tem um pastor
    neopentecostal e no meu prédio também… Eles sabem que sou pastor… E que também
    sou bem diferente deles. Ando de bermuda… Vou para academia às vezes de short
    e de moto… Mas as vezes percebo que eles não me consideram um
    “pastor” no sentido da subcultura evangélica. Fora que temos uma
    verdadeira música brasileira…que nem é nada aproveitada nas igrejas…e
    também não gera grandes lucros. Vencedores por Cristo, Logos, Sal da
    Terra…não dão lucro as mafiosas rádios evangélicas.

    • Isto é um problema recorrente em muitos lugares. Eu já morei em lugares que não podia sair na rua de bermuda porque certamente enfrentaria o julgamento dos outros. Tenho até uma situação em que estava na EBD e um irmão (O professor) estava contando que encontrou uma irmã na rua que lhe saudou com o tradicional “A Paz do Senhor” e ele não respondeu porque ela estava de calça. Ai eu não aguentei e disse: O irmão está errado duas vezes: Uma por ser mal educado e outra porque a paz que o irmão recusou era do SENHOR e não da irmã! Ai deu aquela polêmica!

      Como diz o Rodrigo Bibo do Bibotalk. Essa Teologia do Cagaço está matando muita gente…. Grande abraço.

      • Edvaldo Nascimento

        É complicado mesmo!

  • Fala Galera! Não conhecia o trabalho de vocês e; se os outros episódios tiverem a mesma profundidade deste, vão para minha lista de favoritos.

    Sinto que o grande mal da igreja brasileira é justamente a falta de Bíblia, que; aliada a prepotência cristã tem nos levado a pensar que a única forma de cultuar corretamente a Deus é a nossa e nunca a do outro. Este preconceito tem gerado um afastamento dos sedentos, por não conseguirem ficar a vontade, nas casas que afirmamos pertencerem a Deus mas que somente permitimos o acesso aos iguais e nunca aos diferentes. Penso que nem Jesus, com toda a sua misericórdia, consegue se sentir em casa nos nossos templos.

    Felizmente, ainda existem uns poucos pequenos cristos, dispostos a pagar um alto preço, que não dá ibope, não vende discos, não atrai multidões mas serve de duto para o agir de Deus, promovendo transformação de vidas e a edificação do Reino. Grande abraço.

    Luis Vulcanis
    http://www.esconderijounderground.com

    • Bom dia Luís!
      Obrigado por ouvir nosso podcast, por comentar e por compartilhar.
      Concordo plenamente com suas palavras. Ao mesmo tempo em que me sinto desesperançado com a igreja evangélica brasileira nos seus moldes, sei que existem pessoas sérias, sedentas de evangelho, que amam ao Senhor e não se vendem.

      Espero que goste dos outros episódios e fique conosco. Super abraço, brother!

    • Leonardo Medeiros Braga

      Nossa irmão Luis, fico muito feliz pelas suas palavras!!
      Bom saber que não somos os únicos com essa visão horizontal do evangelho.

      Esses sedentos precisam aprender a olhar para exemplos, mas a “teologia” de hoje (se é que se pode chamar de tal nome) ensina-lhes a olhar para cima e isso gera diversos problemas 2 deles são:

      1º Quando olham para cima, não encontram ninguém, pois cristo se contempla na face do outro (cf 1 Jo.4 8.), se eu não vejo e não amo o irmão que está ao meu lado, jamais poderei encontrar a Deus olhando para o alto e quem afirma tal coisa é mentiroso e não ama a Deus.

      2º Quando o cristão só olha para o alto, não vê os erros, não contesta, não estuda, não faz diferença e por consequência não tem condições de denunciar o pecado. Isso é um prato cheio para esses aproveitadores da fé, que podem roubar as únicas duas moedas que as viúvas pobres põe no gazofilácio.

      O mal da geração que não lê a bíblia é ouvir a antiga sentença: ‘irmão, não olhe para o homem, olhe para Deus’ e aceitar isso como se fosse algo bíblico. Se eu não vejo Deus no meu líder em quem mais eu vou encontrar a Cristo?

      Filipenses 3:17
      Caros irmãos, sede meus imitadores e prestai atenção nos que caminham de acordo com o padrão de comportamento que temos vivido.

      Mais uma vez, obrigado pelas palavras irmão Luis, não sabe o quanto isso nos faz bem!

      Leo Medeiros.

  • Assuntos polêmicos nesse episódio eheheh Achei interessante o comentário sobre o “movimento gospel”. Resolvi fazer um teste. Propus um desafio em um grupo do Whatsapp que tem o pessoal jovem lá da igreja pedindo que citassem 5 músicas do movimento gospel que falassem de Jesus. As músicas teriam que ser deles, não regravação de corinhos ou tradução de música gringa, e teria que ser desse “novo movimento gospel” que vemos ai com Thalles, Valadão Family e cia. To ainda esperando pelo menos uma música 😛

    Abraço
    EddieTheDrummer (PADD)

    • Isso serve para ligar o alerta dessa moçada, não é? Como o Léo disse mais de uma vez ao longo dos episódios, Jesus se diluiu nesse processo chamado Gospel.
      Muito triste mesmo. Obrigado por ouvir, comentar e compartilhar sua experiência conosco.

      Abração, mano!

      • Pior é que, se para pra pesquisar bem, até acha alguma música. Porém, não são as “mais conhecidas das rádios” eheheh Então o pessoal não lembra…

    • Daniel de Oliveira

      Seu comentário me lembrou um problema recorrente, quando a igreja se propõe a fazer um evangelismo na rua. Na hora de cantarmos, cade as músicas com temas evangelísticos? Ninguém sabe uma. Eu como sou da antiga, puxo um Logos um Vencedores. Pois a quantidade de músicas que eles compuseram encaixa perfeitamente com a necessidade de evangelizar. Mas se cassar no atual mercado, não acha nada. Abraços.

    • Leonardo Medeiros Braga

      Fala Eduardo, que desafio difícil para esses pobres jovens rsrsrsrs

      Acho que é mais fácil um camelo passar pelo fundo da agulha que encontrar Jesus em um cântico gospel hahahahah

      Obrigado pela força mano!!

Resistência Podcast © 2016